Há três fatores fundamentais para o bom desempenho de um atleta: treinamento físico, boa alimentação/hidratação e um período de descanso, no qual incluímos o sono. Não adianta o atleta ter um período de treinamento intensificado, se ele não tiver um período bom de descanso, que é quando sua musculatura vai se recuperar dos desgastes. Atletas que priorizam o treino em detrimento dos outros fatores, alimentação e sono, têm uma grande perda de performance, além de aumentar as possibilidades de lesões.

O alimento é mais que um combustível para a fome: ele contém nutrientes essenciais para manter uma saúde ótima e alto desempenho. Existem 6 tipos de nutrientes: carboidratos, gorduras, proteínas, vitaminas, minerais e água. Os carboidratos são fonte de energia primária (rápida); as gorduras são fonte de energia armazenada que é queimada durante atividades de baixa intensidade e longa duração (corrida de longa duração); as proteínas são essenciais para construir e reparar músculos, hemácias, cabelo e outros tecidos e
para sintetizar hormônios; as vitaminas são catalisadores metabólicos que regulam as reações químicas dentro do corpo; os minerais se combinam de muitas formas para formar estruturas corporais e regular processos corporais; a água estabiliza a temperatura do corpo, leva nutrientes para a células e os produtos de excreção para longe delas e é necessária para o funcionamento celular (Clark, 2002). É importante ressaltar que há tipos de carboidratos, proteínas e gorduras que podem auxiliar ou prejudicar a performance, mas essa conversa é para um outro momento!

O atleta deve priorizar a qualidade do alimento consumido. Muitas vezes, o esportista alimenta-se com a quantidade calórica suficiente, mas sem qualidade, o que acaba comprometendo a recuperação e conseqüentemente a performance.

Observar apenas a atividade, ou observar de forma insuficiente o período de recuperação, pode levar, em determinadas condições, a uma lenta redução nas reservas dos substratos do atleta e, com isso,a uma redução de sua capacidade de desempenho. A carga de treinamento e a recuperação a seguir estão, portanto, estreitamente ligadas e condicionam-se reciprocamente. Com isso, um sistema racional de exercício e recuperação é uma das condições mais importantes para aumentar a efetividade do treinamento.

E por fim: durante o sono, espalha-se pelo córtex cerebral uma inibição protetora, que provoca regeneração das células cerebrais. Os produtos metabólicos acumulados são removidos, de forma que o córtex cerebral é protegido de sobrecargas (Harre, 1976 – conhecimento antigo e ainda pouco respeitado!). Sono e relaxamento são essenciais para a recuperação do organismo e decisivos para o desempenho físico e mental.

O desgaste celular e fisiológico de uma maratona, por exemplo, é imenso, portanto, se os treinamentos não forem acompanhados de uma alimentação e recuperação adequados, o atleta tende a não suportar tal empreitada, e como todos sabemos, tanto o atleta de elite quanto amador, “abastecem-se” dia após dia, do segundo a menos a cada “tiro”!

Bons sonhos!!